Deborah Adut Dau

Esta é a situação pela qual as mulheres, particularmente na minha região:

1) Crenças culturais entre muitas comunidades de que as mulheres devem servir aos homens em casa e não devem ir à escola, pois não podem trabalhar fora de casa.

2) As meninas são fortemente consideradas como um ativo para o preço da noiva e levá-las à escola atrasaria a posse de riqueza por suas famílias e gastar quaisquer recursos em sua educação é considerado uma perda porque uma vez que se casam, tornam-se propriedade de quem as casar.

3) A maioria das comunidades considera a educação ocidental associada à má influência cultural e, como tal, considera as mulheres instruídas mimadas e impróprias para o casamento. A maioria das meninas educadas é, portanto, isolada e negligenciada por homens que igualmente não aceitam desafios e temem se casar com mulheres esclarecidas.

4) Para as meninas educadas que são consideradas reservadas e de boa moral, o preço da noiva é inflado, pois o pretendente deve compensar a família pelo custo de educá-la, portanto, casar com elas é economicamente desafiador.

Ao contrário, se uma mulher se divorcia de um marido, os pais da menina devem devolver o preço da noiva ao marido e isso não é fácil com uma garota cujo preço da noiva era enorme.

5) Mesmo em famílias abastadas, as meninas não têm prioridade, pois a tradição apenas identifica os meninos como filhos do lar e da comunidade, portanto, pouca atenção é dada à educação das meninas.

6) As meninas ficam sobrecarregadas com as tarefas domésticas e não têm espaço para estudar, pois não podem dividir as tarefas com os irmãos.

7) Níveis de pobreza extrema obrigam os pais a casar suas filhas para obter riqueza em uma idade muito tenra - alguns antes mesmo de atingir a puberdade - fazendo com que o número de meninas concluindo o ensino fundamental seja inferior a um por cento.

8) Políticas governamentais fracas - A atitude do governo em relação à educação de meninas é uma replicação direta do cenário familiar. Mesmo enquanto o governo do Sul do Sudão se prepara para um referendo e transição, nada afirmativo sobre a educação de meninas aparece no manifesto.

Viva sua visão Fundação Li Tim-Oi!

Deborah Adut Dau